As peripécias de uma flor

As peripécias de uma flor

24/09/16

Bagé - o que fazer, onde comer e ficar na Rainha da Fronteira

Localizada a aproximados 380 quilômetros da capital Porto Alegre, Bagé é uma das principais cidades do extremo sul do Rio Grande do Sul. Apelidada de Rainha da Fronteira, a cidade tem uma diversidade turística para a mostrar aos que por lá chegam para visitar.

Estive na cidade duas vezes e "turistei" de maneiras completamente diferentes. Na primeira vez, fui em busca do enoturismo, já falado aqui no blog, através deste relato -> Rota das vinícolas. Já na segunda, fui descobrir seus casarões e o envolvimento no progresso e na Guerra dos Farrapos.


Hoje, posso falar com certa propriedade, mas não como expert sobre a cidade. E, por isto, o tema do post de hoje é o que fazer e onde ficar em Bagé, considerada um das treze cidades históricas do Estado do Rio Grande do Sul e um das cento e setenta e seis cidades históricas do Brasil.

Bagé e a Revolução Farroupilha

Palco de diversas batalhas sangrentas entre farrapos e imperialistas, a cidade era considerada estratégia devido a sua proximidade a fronteira com Uruguai e sua ligação com Rio Grande por via férrea. Protagonista do famoso cerco, que teve duração de aproximados 50 dias, a cidade foi completamente lastreada pelos imperialistas, impossibilitando os farrapos a saírem ou entrarem na cidade com suprimentos.

O que fazer?

1 - Prédios e casarões históricos

Reserve um tempo para caminhar pela Praça Silveira Martins e seus arredores e descubra os casarões construídos pelos estancieiros durante o período áureo.


2 - Museu Dom Diogo de Souza   

O prédio mais bonito e imponente de Bagé foi projetado inicialmente para ser um hospital destinado a comunidade portuguesa, mas acabou virando Enfermaria Militar e depois tantas outras instituições, todas elas destinadas ao ramo da saúde.


Após uma bela reforma e restauro em 1975, o prédio com várias influências arquitetônicas virou o Museu Dom Diogo de Souza, que abriga atualmente um importante acervo da Guerra dos Farrapos (inclusive a única bandeira farroupilha que restou), da Guerra do Paraguai entre outras relíquias.


Informações - Museu Dom Diogo de Souza:

Endereço: Rua Emílio Guilayn, 759
Telefone: (53) 3242 8244
Horário: Terça a Sexta entre 8:30 e 11:30 - 14:00 e 18:00; Sábado e Domingo entre 14:00 e 18:00
Email: museudomdiogo@hotmail.com
Valor do ingresso: R$ 5,

3 - Palacete Pedro Osório

O palacete de estilo neoclássico, feito com mármore, bronze, vitrais e ferro fundido foi construído no início do século XX pelo médico Pedro Osório.



Atual prédio da Secretaria da Cultura, o prédio já foi palco de várias reuniões políticas durante a Revolução de 1923, sendo totalmente restaurado com recursos do BNDES em 2008.


  Informações - Palacete Pedro Osório:

Endereço: Avenida Tupy Silveira. 1.436
Telefone: (53) 3242 6012

4 - Catedral São Sebastião

Totalmente bombardeada durante a Revolução Farroupilha e reconstruída anos mais tarde, a imponente e bela Catedral São Sebastião fica localizada na Praça da Matriz leva o nome do padroeiro da cidade.



5 - Cidade Cenográfica de Santa Fé - filme O Tempo e o Vento

Praticamente em estado decadente, a Cidade Cenográfica de Santa Fé está localizada a alguns quilômetros do centro da cidade e ainda é uma das atrações turísticas mais procuradas em Bagé.


A decadência do cenário, feito a base de compensado, se dá pelo fato da construção ter sido projetada para durar apenas seis meses e não ter tido nenhum tipo de restauro posterior.


Por lá ainda é possível fazer a visitação do lado externo do cenário e relembrar algumas cenas e construções que fizeram parte do filme, mas não se empolgue. É uma visita rápida e pelos seus arredores.

Informações - Santa Fé:

Telefone: (53) 3241 7958
Horário: Quarta a domingo e feriados entre 14:30 e 18:30
Dica: Antes da visita, ligue para saber se a atração está realmente aberta
Valor: R$ 5,

Aproveite a ida a Santa Fé e vá ao Parque do Gaúcho, que é ali bem pertinho. Durante as comemoração da Revolução Farroupilha há vários eventos e atividades que valem a visita.

6 - Centro Histórico Vila de Santa Thereza

Em um dia frio o mirante com vista para o casarão do Visconde Ribeiro de Magalhães é um bom local para escutar e sentir o famoso vento Minuano que os gaúchos bem conhecem. Já no verão ou em dias de sol (mesmo com o minuano) é um excelente local para tirar uma bela foto da paisagem.


Na vila estão localizados a bem conservada Capela Santa Thereza de Ávila, que tem toda a sua beleza formada em seu conjunto arquitetônico elegante e simples, e ainda um auditório de arquitetura moderna que abriga alguns festivais internacionais ao longo do ano.




Informações - Centro Histórico Vila de Santa Thereza:

Endereço: Avenida Visconde de Ribeiro Magalhães
Telefone: (53) 3247 6861


7 - Tour pelas vinícolas da Região da Campanha

Basta ter um carro, um motorista que não beba e prestar atenção nas dicas que dei no post do blog sobre o tema. Não me estenderei mais, pois tem um relato exclusivo neste link -> Rota dos vinhos.

Observação: Não se atreva em bater de porta em porta, pois já fiz isso no começo do ano. Muitas vinícolas não estão preparadas ou não querem atender turistas e visitantes e temos que respeitar.


8 - Tour pelo cemitério

Macabro, mas existente, o tour pelas lápides do cemitério de Bagé é bastante procurado. Tal procura deve-se pelo fato de muitas construções serem verdadeiras obras de arte.



Onde comer?

Infelizmente, as fotos que tenho no quesito gastronômico deixam a desejar, mas não poderia deixar de indicar alguns lugares para comer na cidade.

Almoço

Se a intenção é fazer um almoço rápido pelo centro, sem abrir mão daquele churrasco na brasa, vá ao Galeto e Churrascaria Mário. O restaurante não é frequentado por turistas e, sim por habitantes e trabalhadores de Bagé, tendo um bom atendimento e um buffet variado de almoço.


Endereço: Rua Hipólito Ribeiro, 31
Telefone: (53) 3242 5064

Outra sugestão mais sofisticada e localizada na entrada da cidade é a tradicional Betemps, que possui um menu de almoço com ou sem churrasco. Lá é praticamente o ponto de encontro dos figurões da cidade e local onde pudemos colher informações preciosas quando fizemos a Rota das Vinícolas.

Essa polenta com queijo é de comer rezando...
Endereço: Avenida Santa Tecla, 1.626
Telefone: (53) 3242 3459

Jantar

Já durante o jantar prove o Kitchen Restaurante e Pizzaria, que também é aberto durante o horário do almoço e serve um comida maravilhosa, ou encare uma pizza de metro na La Piedra Pizza e Chopp.


Aos paulistas, uma dica. Todas as pizzarias no sul colocam queijo em qualquer sabor de pizza. Na dúvida, peça uma margherita e seja feliz!

Onde ficar?

Hotel Fenícia

Para quem busca uma localização central, o Fenícia é certamente uma boa pedida em Bagé, uma vez que, está localizado em uma das principais praças da cidade, tendo fácil acesso a bancos, restaurantes e demais facilidades. Atualmente, o hotel está sob nova direção e passa por um visionário processo de reforma interna, com a intenção de vir um ícone hoteleiro para os que buscam praticidade e conforto.


Aos fãs dos vinhos e azeites da Campanha, uma boa notícia. O Fenícia possui quartos temáticos que foram totalmente reformados para atender este público. Entre os participantes estão a Azeite Batalha e as vinícolas Dunamis e Peruzzo. Nossa tropa (incluindo eu) teve a oportunidade de se hospedar nestes quartos durante a última ida a Bagé e a experiência foi muito bacana.

De todas as suítes, a que mais gostei foi da Dunamis, pela sua disposição e vista da cidade. E foi lá que fizemos um brinde a nossa viagem com um dos espumantes da linha da vinícola, obviamente.


Quartos temáticos

Todos equipados com ar condicionado, armário, amenities e com acesso gratuito ao WiFi, os quartos temáticos do Fenícia são uma atração a parte.

Suíte Vinícola Peruzzo (a que fiquei hospedada)



Suíte Azeite Batalha



Suítes Vinícola Dunamis (com dois quartos)



Café da manhã

O café da manhã do hotel é clássico, tendo uma variedade de pães, bolos, quitutes e frios, além dos tradicionais sucos, café e chá.


Além das suítes temáticas e do processo de reforma, o hotel possui algumas atividades voltadas ao turista convencional e também ao enoturismo. De tempos em tempos é feito uma espécie de tour pelas vinícolas da região e, fixamente há dentro do hotel, um espaço com vinhos e azeites das marcas acima citadas para os que querem adquirir seus rótulos sem ter que se locomover até a vinícola ou outro posto de venda.

Informações - Hotel Fenícia:

Endereço: Rua Juvêncio Lemos, 45 - Centro
Telefone: (53) 3242 8222
Website: http://feniciahotel.com.br/

Pousada do Sobrado

Para quem busca sossego e proximidade da natureza, a Pousada do Sobrado é o local ideal para ficar em Bagé. Fiquei hospedada por lá a primeira vez que estive na cidade e me encantei. Uma pena nunca ter visto por lá o Thiago Lacerda (leia o post), mas uma hora dará certo. O post com o meu relato independente sobre a pousada neste link do blog -> Review Pousada do Sobrado.


Informações - Pousada do Sobrado:

Endereço: Estrada dos Terra, S/N - Bairro Getúlio Vargas
Telefones: (53) 3242 2713 / 9956 0610
Site: www.pousadadosobrado.com.br
Reserva pelo Booking: http://www.booking.com/



                                                                      ********************

Agradecimento ao apoio em Bagé:

- Ao Hotel Fenícia pelas cortesias de hospedagem e ao Galeto e Churrascaria Mário pela cortesia do almoço;


- As queridas Kaká, Durvalina, Iara e Anna Lenir da Baye Turismo por sempre nos receber tão bem em Bagé e cuidar da gente quando estamos na cidade. Para quem quiser contratar os serviços delas tanto para atividades em Bagé quanto para turismo de aventura na cidade ou em Minas do Camaquã, fica aqui o contato:

Email: bayeturismoeviagens@gmail.com
Telefone: (53) 9957 1298

- A agência Tchê Fronteira que fez o city tour cortesia conosco, mesmo em um dia pra lá de chuvoso. A Tchê também foi uma das responsáveis desta rota ter acontecido, já que a nossa rota teve como base um roteiro desenvolvido pelo Sebrae e pela agência comercializado.

Endereço: Rua Doutor Freitas, 36
Email: fronteiraturismo@bol.com.br
Telefone: (53) 3247 3256

Agradecimento aos patrocinadores da Rota Farroupilha:

O roteiro teve o patrocínio do escritório BCM Advogados e da Agropecuária Sallaberry , além do suporte do Sebrae Costa Doce e de algumas secretarias de turismo. A viagem usou como base o Caminho Farroupilha elaborado pelo Sebrae - RS e oferecido como pacote turístico pela Tchê Fronteira Turismo, de Bagé - RS.

O projeto Rota Farroupilha e seus envolvidos:

O projeto #RotaFarroupilha é um projeto dos blogs Territórios e As Peripécias de Uma Flor em parceria com os blogs Café Viagem e Mochilinha Gaúcha, que contou com as participações especiais do blog Andarilhos do Mundo e a jornalista Criz Azevedo.



Leia Mais ►

20/09/16

20 de setembro, Celebração dos Ideais Farroupilhas e minha homenagem aos gaúchos

Em julho deste ano, eu e mais um grupo de amigos blogueiros percorremos a Rota do Caminho Farroupilha, em busca das origens, da história e das atrações turísticas oferecidas em cada cidade que passamos.

Foram onze dias percorrendo, em mais de dois mil quilômetros, dezessete cidades. Passamos pela Costa Doce, Pampa Gaúcho e Fronteira Oeste, sendo recebidos com muita simpatia, presteza e atenção em todas as cidades que passamos.

Apesar de ser a única paulista na brincadeira, acredito que pelo fato de já ter ido algumas vezes ao Rio Grande e as amizades gaúchas que tenho, foi fácil desbravar os caminhos farroupilhas sem muitas estranhezas aos costumes e a cultura local. Confesso que quando fui no começo do ano, achei estranho ver a turma no interior de bombacha caminhando tranquilamente pelas ruas e comércio, mas depois entendi que bombacha, chimarrão, pelego e outras particularidades são seus principais trajes e acessórios, fazendo com que a tradição gaúcha permaneça até hoje enraizada de forma tão forte e tão orgulhosa.


Também pelo fato de ser paulista e abusada, sempre pergunto aos gaúchos o que eles acham que os paulistas e o resto do povo brasileiro pensam deles e a resposta é quase unânime. "Acham que pensamos: Por que eles ainda não se separaram do resto do Brasil?"

Sei que tem muita coisa por trás desta história e deste sentimento e eu cada vez que vou ao sul, entendo mais esta tão delicada questão e me encanto mais com a terra, com o jeito bronco, sincero e hospitaleiro do gaúcho (que só entende quem os conhece). Só não consigo me dar bem todo aquele churrasco típico de lá para o pavor da gauchada. Um horror! rs

Ao longo do caminho que traçamos, pude entender mais sobre a história da Revolução Farroupilha e não me atreverei aqui a dar os meus pitacos, pois isso seria de uma tremenda falta de educação e irresponsabilidade de minha parte, fora que não tenho propriedade para falar de um tema que conheci a fundo a tão pouco tempo. Por isso, este relato ao invés de trazer a história do Rio Grande, será uma homenagem as belezas que encontramos pelo caminho e um incentivo/convite ao povo gaúcho e todos os demais brasileiros a conhecerem esta bela (e acessível a todos os bolsos) região do Brasil.

Aos gaúchos amigos e leitores, o meu Parabéns pela permanência da celebração dos ideais e de suas raízes! :)

Rota do Caminho Farroupilha em paisagens e relatos do que fazer, onde comer e ficar


1 - Porto Alegre
Nosso ponto de chegada e partida


2 - Guaíba 
Relato sobre Guaíba no blog -> Cidade berço da Revolução Farroupilha


3 - Camaquã
Relato sobre Camaquã no blog -> Capital do Arroz Parboilizado


4 - São Lourenço do Sul
Relato sobre São Lourenço do Sul no blog -> Cidade Balneário

Fonte: Prefeitura de São Lourenço do Sul
5 - Rio Grande
Relato sobre Rio Grande no blog -> Noiva do Mar

Foto: Minéia Silvana

6 - São José do Norte 
Relato sobre São José do Norte no blog -> Onde termina a BR 101


7 - Pelotas
Relato sobre Pelotas no blog -> Não é só a Capital do Doce


8 - Piratini
Relato sobre Piratini no blog -> A Primeira Capital Farroupilha


9 - Pinheiro Machado e suas ovelhas



10 - Candiota, seus vinhos e suas oliveiras



11 - Bagé e sua história
(Relato previsto para sair esta semana) 


12 - Dom Pedrito
Relato sobre Dom Pedrito -> Cidade do Acordo de Paz


13 - Santana do Livramento e sua Rota da Ferradura
(O post virá em breve)



14 - Alegrete
Relato sobre Alegrete no blog -> Não me perguntes onde fica o Alegrete...


15 - Rosário do Sul e sua prestigiada vinícola Routhier & Darricarrère
(O post virá em breve)


16 - São Gabriel e seus casarões
(O post virá em breve)


17 - Caçapava do Sul
Relato sobre Caçapava do Sul no blog -> Turismo de Aventura


Agradecimentos especiais

Não seria possível ter feito a Rota do Caminho Farroupilha se não fosse nossos patrocinadores e os amigos que comigo seguiram estrada, desbravando por tantos dias e noites o Rio Grande do Sul.

Patrocinadores da Rota Farroupilha:

O roteiro teve o patrocínio do escritório BCM Advogados e da Agropecuária Sallaberry , além do suporte do Sebrae Costa Doce e de algumas secretarias de turismo. A viagem usou como base o Caminho Farroupilha elaborado pelo Sebrae - RS e oferecido como pacote turístico pela Tchê Fronteira Turismo, de Bagé - RS.

O projeto Rota Farroupilha e seus envolvidos:

O projeto #RotaFarroupilha é um projeto dos blogs Territórios e As Peripécias de Uma Flor em parceria com os blogs Café Viagem e Mochilinha Gaúcha, que contou com as participações especiais do blog Andarilhos do Mundo e a jornalista Criz Azevedo.


Leia Mais ►